Com a Pena e o Tinteiro

17 fev

This is the end…

Tudo na vida tem um começo e até mesmo um fim.
Claro, que certas coisas se acabam no fim de nossa vida, que também tem fim.
Mas tem outras que se esgotam mesmo. Como o tempo que acaba…
Sempre gostei de perdurar as coisas, acho que sou muito apegada, sou muito terra ainda, mesmo querendo me espiritualizar.
Não entendia quando os outros diziam que não devemos nos apegar, mas hoje sei que isso não egoísmo. É porque as coisas são passageiras mesmo. Mesmo que dure o resto de nossas vidas se comparada a eternidade, é nada. É apenas uma fraçã0.
Mas para entendemos isso sem protestar temos que aprender tanta coisa, principalmente temos que aprender que mesmo as coisas não sendo eternas, ela são importantes e especiais, cada momento é único. E quem faz parte dele também.
Mas o que aprendi também é que as vezes temos que dar um basta mesmo a quem amamos. Porque não é possível você passar a vida inteira tentando provar seu amor.
Sua amizade para alguém. Então chega o fim de algo bonito e até verdadeiro, mas que não tem jeito. Tem coisas que partem de um jeito, que não dar mais para colar. O que resta são as lembranças boas de tempos felizes e verdadeiros. Gosto de pensar assim, e é assim que vou levando minhas perdas.
Claro que tem coisas que não valem a pena, e tem outras até que valem.
O tempo cura tudo. Esse é o ditado mais sábio.
Nunca devemos dizer nunca, mas há certas resoluções que devem ser tomadas com urgência. O pior é deixamos para lá nossos problemas. Devemos por um ponto final em certas coisas e seguimos com nossa vida. Acredito que o amor verdadeiro dure para sempre em nossas almas, mas sei também que amar não significa idolatrar eternamente. As paixões acabam e os amores duram em nossos corações. Há tempo para tudo nessa vida, e momento certo para cada coisa…

Continuar lendo

Cajon de Sastre – Especial Filmes de Baz Luhrmann

17 fev

21010005_2013060320584057.jpg-r_640_600-b_1_D6D6D6-f_jpg-q_x-xxyxx20135211.jpg-r_640_600-b_1_D6D6D6-f_jpg-q_x-xxyxx21000285_20130419214853894.jpg-r_640_600-b_1_D6D6D6-f_jpg-q_x-xxyxx

Continuar lendo

Appetizers – Literatura

28 jan

Imagem

Finalmente terminei um livro que peguei para ler nas férias, Os Verdes Abutres da Colina de José Alcides Pinto, (1923 -2008). Ficcionista e poeta, nasceu em São Francisco do Estreito, distrito de Santana do Acaraú, no Ceará. Autor da Trilogia da Maldição, que se compõe de três importantes romances: João Pinto de Maria, O Dragão e Os verdes abutres da colina, todas narrativas motivadas pelo sobrenatural, em suas mais diversas e intrigantes categorias (Maravilhoso, Fantástico, Estranho, Absurdo etc). Ainda jovem foi estudar no Rio de Janeiro formando-se em Jornalismo e Biblioteconomia. Sua estreia na literatura cearense foi em 1950 ao participar da famosa “Antologia dos poetas da nova geração”. Daí por diante, fez poesias, romances, novelas, teatro, críticas e ensaios sobre literatura.

Continuar lendo

Eu Vivo Mal Humorada

9 jan

Unique-2014-Calendar-Design-1

Depois de muito tempo longe do Nativa, decidi voltar de vez para o que eu mais amo, escrever! Sei que prometi o ano passado voltar, mas divido minha vida acadêmica não tive tempo mesmo. Mas agora decidi definitivamente voltar e mesmo com minhas obrigações vou me dedicar, só que haverá mudanças para que isso aconteça, as colunas não vão ser diárias como antigamente até para manter a qualidade do que será postado e para que eu continue escrevendo com prazer também, afinal esse é um dos pontos fundamentais que foi o motivo para a crianção do Nativa. E outra coisa, o que é feito com amor é bem feito!

A nossa querida Raquel Dias vai continuar conosco, mas seus textos também não serão semanais devido ao seu tempo corrido. Continuaremos com algumas das colunas mas o que for mais visualizado fica e o que não tiver retorno será trocado por outra colunas. Essas mudanças serão feitas para que possamos nos encaixar melhor, porque não haverá mais outros colunistas em nosso blog, apenas colaboradores.  Ou seja, estarei assumindo o blog e tenho em mente melhorar o que for publicado e deixar o Nativa mais a cara do nosso público alvo!

Teremos esse ano novo copa do mundo no Brasil e eleições, quero ver como vamos levar 2014, que nos aguarda para esse ano. Ano passado tivemos muitos protestos contra os governos brasileiros, quebra quebra nas ruas e um jornalismo tendencioso. Será que as pessoas vão continuar com sua indignação ou todo mundo vai esquecer as atrocidades que foram cometidas pelos políticos e cair na gandaia? Sei que haverá muito pano para manga em 2014, assunto é o que não vai faltar no Nativa.😉

Agradeço a quem continuou lendo nossas matérias e peço desculpa por não ter atualizado o blog. E desejo um 2014 cheio de sucesso e luz para todos!

Retrospectiva 2013

9 jan

The WordPress.com stats helper monkeys prepared a 2013 annual report for this blog.

Here’s an excerpt:

The concert hall at the Sydney Opera House holds 2,700 people. This blog was viewed about 19,000 times in 2013. If it were a concert at Sydney Opera House, it would take about 7 sold-out performances for that many people to see it.

Click here to see the complete report.

Caixa Preta

21 abr

Depois de semanas sem conseguir tempo para escrever no blog, eis que volto na coluna Caixa Preta, sempre peço desculpa aos leitores por isso, nem sempre as coisas saem como a gente planeja. Primeiramente quero dizer que quando criei o blog tinha a intenção de ser semanal e escrever sempre novas noticias, coloquei uma equipe comigo para me ajudar, mas cada uma seguiu sua vida porque o tempo não para. Administrar e suprir um blog do porte que eu intencionava ter é difícil e como também tenho outros compromissos, acabei me afastando por longo tempo. Não esperava que acontecesse certas coisas em minha vida e ainda tento colocar em ordem as mudanças. Mas tenho a convicção que não quero e nem intenciono abandonar o Nativa. O blog foi umas das coisas que mais gostei e gosto de fazer, me encontrei escrevendo essas web páginas.

Agora o fato de ter escolhido a coluna Caixa Preta para retornar ao Nativa é que venho falar das relações humanas, como elas são complicadas, sei que tem uma frase que diz que “as coisas são simples, nós que complicamos”, essa frase só reforça a ideia que venho discutir aqui. Realmente, nós que complicamos tudo e principalmente nossas relações. Se paramos para pensar no que fazemos, vamos ver que tudo não passa de mal entendidos e orgulho ferido. O orgulho cega a gente, mas como baixar a cabeça para admitir que apenas estamos sendo orgulhosos e injusto por isso?

Continuar lendo

Vida Cotidiana

22 mar

Arroz de quiabo

Quando aquela visita inusitada chega, dica, corra para cozinha e prepare esse arroz e receba elogios.😉

Arroz de quiabo

Arroz de quiabo

Continuar lendo

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

%d blogueiros gostam disto: