Com a Pena e o Tinteiro

12 jul

Luna

Lua nítida refletida no lago, nua.

Há prata na tua luz, há gelo em seus lençóis.

Quebrastes a sintonia de sonhos como os nossos,

de decifrastes.

Inunda nossas noites, de raios molhados, cinzas, de luzes

cintilantes.

Enquanto a aurora não vem; enlouquece os noturnos,

dá bola aos boêmios.

Se te esconde por trás de brancos algodões e

brincas com as estrelas, não sei.

Ora redonda, ora de quarto, tu és um enigma.

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: