Ponto e Reticências

15 out

Os grandes encontros de vidas “normais”.

Sim Beto você não me disse, porque é mesmo que você não foi comigo pro Canadá?

Vixe Pedro… ( Olhando pra baixo, pensativo e voz pausada ) tanta coisa irmão, naquela época a Joana estava com suspeita de gravidez e estávamos muito apaixonados começo de relação sabe como é… ( Abrindo novamente o sorriso ) jamais iria sem ela.

E ae valeu a pena? Balançando a chave e olhando pro carro Roberto muda de assunto : Você esta fazendo o que agora? Nada estou de bobeira, estou de férias, quer dizer estou de férias a mais ou menos uns 06 anos ( Gargalhadas e Abraços ).

Você é foda Pedrão eu aqui cheio de compras pra levar pra casa e você tirando onda. Pedrão – Cheio de Compras e sacos plásticos que milhares de anos pra ( Interrompido por Roberto ) – Ah não vem com essa não, pega aí as metades das coisas logo e entra no carro. Tudo bem Dr. Roberto, mas será seus filhos que eram pagar o pato.

Roberto – Eles vão pagar o pato e eu que já pago os impostos ( Gargalhadas muito, mas muito alto) Roberto liga o carro e Pedrão já mexe nos CD’s o que você tem de bom aqui? Virou careta não, né? Tomar no C.! Pedrão! – Que isso Dr. Roberto (Antes de outra resposta de baixo calão) Pedrão emenda: Caralho! Black Sabbath! Faz um tempão que não escuto (som nas alturas). UHuuuuuuuuuuu!!!!

(A deriva saem cantando e “batendo cabeça” como nas épocas da bandinha da faculdade, depois da quarta musica a inevitável pergunta) Pedrão – Nós estamos indo pra onde? Roberto – Tenho que ir passar em casa, lá esta sem nada, esta parecendo o pólo Norte, só água e gelo com um pingüim em cima (risos)!!!

Pedrão – Vamos dar uma passadinha no Caca, você ainda fala com ele? Ah Sandrinha? O The Black? E aí cadê o pessoal? Cara, nos afastamos depois da “Facu”, o Caca é médico vive de plantão, a Sandrinha casou e o marido dela é ciumento de mais, sinceramente estou nem vendo, e vou te dizer uma coisa em “off”, bate ate nela!

Pedrão – Serio? Roberto – To te dizendo a uns 02 anos atrás foi a maior confusão eu e Joana nos metemos e tudo, mas quando ela voltou de novo, com aquelas desculpas que era pelos meninos eu desisti. Pedrão – Meninos… meninos é o caralho! Roberto – E verdade (Pausa) Pedrão – E o The Black? The Black falo com ele direto, mas pelo Face, o negão esta bem, é musico e toca toda sexta na Toca das Artes um barzinho irado que tem lá na Boa vista.

Pedrão – Massa e então vamos pra onde? Roberto – Tava pensando em passar em casa deixar as compras e vê se Joana queria ir com a gente. Pedrão – Liga pra ela. Roberto – Não, vou ligar depois vamos passar na praia aproveito compro uns camarões la pra casa e tomamos uma cerva. Pedrão – Ih Beto to sem beber faz um tempão, não como carne vermelha, mas não se preocupe continuo hétero (Risos).

Chegando à praia caminham até os Box’s de camarões, fazem a compra: Roberto – 2kg por favor, caprichado, passo depois pra pegar beleza? Seguem para o quiosque de um conhecido, quando percebe Betão contemplando o mar e o sol que já se ponha. Pedrão – Oh coisa linda, não tem igual sabia? Roberto – E faz tanto tempo que não paro pra vê sabia? Pedrão – Cotidiano, o cotidiano mata Beto.

Roberto – É verdade, trabalho, casa, conta, família, fora a sogra…( Risos ). Pedrão – A Dona… Qual o nome dela? Roberto – Matilde! Pedrão – Ainda pega muito no seu pé? Com todo este tempo cansou, mas ainda dar o ar da graça de vez em quando (Riso de canto de boca). Pedrão senta-se na areia, próximo ao mar, Beto vestido com os trajes do trabalho (Esporte Fino) tira os sapatos, as meias, dobra as calças e as mangas da camisa e senta-se meio desengonçado.

Pedrão – E aí meu irmão diz como você ta?

Roberto – Estou bem Pedro, eu e Joana estamos juntos desde a época da Facu, ela esta trampando, eu também e nestes últimos 06 meses tem sido um inferno entrando as 07 horas da manhã e saindo às 20, 21 horas sem tempo de dar atenção a ela e hoje que ia pra casa cedo estou aqui com você (Risos)? Mas tenho certeza que colheremos o fruto deste nosso esforço a diante, o problema é está a esperar que algo de muito bom esteja pra acontecer, enquanto os problemas e as contas chegam no presente.

Pedrão – Mas é isso mesmo Beto, pra mim também não foi fácil quando fui pro Canadá, fiz apenas 02 semestres, depois fiquei quase um ano recebendo o dinheiro que meus pais mandavam e fingindo estudar, com dinheiro investi no que sabia fazer artesanato e fui “manguear” em frente a Facu que deveria estudar, a sensação de estar enganando meus pais foi muito ruim e até hoje meu pai não me perdoou.

Roberto – Caralho você fez isso Pedrão? Sacanagem com o Tio Nilson cara, não tou te julgando não, de boa, mas… Foda, diga aí? E a Tia Ana o que fala sobre isso?

Pedrão – Ou era isso ou largar a Facu e voltar, aí já viu o que diria o “Tio Nilson”, não suportaria viver naquele frio infernal do Canadá, queria viajar, mas tinha que fazer uma base antes, foi isso que fiz depois de um ano, parti pra Espanha e estou lá até hoje. A mãe é foda, de boa, falo com ela direto, com a pai também mas nunca escapo de uma piadinha. (Riso de canto de boca)

Pedrão – Tem seda?

Roberto – Que?

Pedrão – Seda?

Roberto – Ah…que dizer que tu não bebe, Não come carne vermelha, mas ainda fuma unzinho é? Ética pela metade e outra solta monóxido de carbono da atmosfera viu? (Risos)

Pedrão – Nunca disse ser politicamente correto, não bebo por que não posso, ou não devo, não como carne vermelha por que minha mãe da minha filha naturalista e me acostumei, sinto-me mal quando como, pesado saco e depois que ela me mostrou uns vídeos da carne apodrecendo dentro de nos, fiquei com nojo, mas nada a ver com politicamente correto, tem seda?

Roberto – Pois não perco um rodízio, mal passado hummm e não, não tenho seda, não fumo faz muito tempo Pedrão.

Pedrão – Pois arranca uma folha deste teu caderno de anotações mesmo, que este e do bom e encaro ate um rodízio contigo depois (Risos).

Roberto – Rodízio! Depois iremos encarar é a Joana (Gargalhadas).

Pedrão – Isqueiro?

Roberto – Porra Pedrão, não engabela esse não hein?

Pedrão – Deixa Comigo… (Entre um pau e outro).

– A Joana se tornou chata assim, ela era tão de boa né verdade, fazia teatro e tudo.

– Mulher depois que casa é foda né?! Quer que nos tornemos quem nunca fomos.

Roberto – É mas não é. Roda!

Pedrão – Toma, como asssim?

Roberto – Se não fosse a Joana não seria quem sou hoje sacou? Ela é, mas pragmática que eu e quando estou vacilando ela sempre me da um toque e é incrível como ela esta sempre certa. Fora Pedrão que cá entre nós, mulher bonita, inteligente e fiel hoje em dia é espécie em extinção.

Pedrão – Igual homem hetero, esta empatado então! (Gargalhadas desproporcionais á piada ) Roda mão de cola!

Roberto – Essa é boa né? Sim tamos empatados (Risos), e você esta casado então, tem uma filha.

Pedrão – Pois é…é o preço que pago pela tal liberdade, é um preço alto que ultimamente tem sido um fardo pra mim, afinal estou beirando os 30 e estou querendo me aquietar, não sei, porra estou chapado oh.

Roberto – Morreu.

Pedrão – Enterra aí na areia.

Roberto – Já ta escurecendo vamos partir.

Pedrão – Queria desabafar contigo Beto, pode?

Roberto – Sempre irmão, estamos junto, diz ae, so não vale chorar (Risos)

Pedrão – Se F…. Beto! Tem tempo ruim pra mim você é louco!

– Mas quando cheguei na Espanha o 1º ano foi de descobrimento sacou? estava com grana ainda e aí andei vacilando exagerando na dose, doses e outras cositas más, foi o mesmo tempo que conheci a mãe de minha filha, ela e botânica e fui logo morar com ela em Granada na casa dela.

E trabalhava na feira de artesanato de lá mesmo, dava pra ganhar um dinheiro show, mas logo veio a Clarice minha filha e ae ela queria se mudar pra uma cidade maior e tal e implicar com meu trampo, dizendo que deveria ter algo certo, que iria me arranjar um emprego, porra eu não quero, gosto do que faço e quero continuar a fazer, aguentamos mais 01 ano e quando a Clarinha tava com 01 ano e 06 meses nos separamos, ela está em Madri capital da Espanha ganhando uns tubos, mas não queria ir e não queria que minha filha fosse a qualidade de vida em Granada e muito melhor e outra (Telefone de Roberto toca).

Roberto – Vixe é Joana, caralho são quase 20h horas, silencio. ( Sepulcral)

– Oi amor?

– An? Não, não, você ligou pra lá? Foi saí mas cedo hoje. Aonde? Ah…Joana vim aqui no supermercado fazer umas comprar e aproveitei pra passar na praia para pegar uns camarões pra gente. Claro pra gente por que? Tá, tá, estou indo, não vou brigar com você né amor pelo amor de DEUS. Claro esta bom. Sim… É… Adivinha quem está no Brasil? Não, não né Joana aff Maria, o Pedrão, sim o Pedrão da Facu, ( Joana – #$@$%¨$#@#$%%$23%*) é, sim, hum, claro, pois estou indo, tá, tranqüilo, beijos!

Pedrão – E aí limpeza?

Roberto – Tranquilo viver é isso mesmo! Tem outro pra gente fumar lá?

Pedrão – Claro!

Roberto – Grande Pedrão!!!

(Abraçados, conversando e rindo encaminhando para o carro os 02 grandes amigos, mal sabia Roberto que além de encarar Joana, esquecerá os camarões no Box’s e como explicar tão mal explicada história.)

 Por David Saraiva

Anúncios

Uma resposta to “Ponto e Reticências”

Trackbacks/Pingbacks

  1. Caixa Preta « - 15/10/2011

    […] da cena de hoje e quer saber sobre o resto do encontro do Roberto com seu amigo Pedrão? Clica ai e descobre o que houve. Compartilhe:Like this:LikeBe the first to like this […]

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: