Meu Walkman

31 out

Pato Fu

Galera (N)Ativa vou falar de uma banda que pasmem, apesar de o Meu Walkman ser uma coluna só de bandas que curto, não gosto, Pato Fu. Mas porque escolhi essa banda? Vou contar minha história em relação a ela e vocês entenderam tudo. Na década de noventa quando conheci (ouvi) pela primeira vez o Pato Fu, foi na MTV e detestei suas letras. Achava besta demais cara, (desculpa os fãs) mas aquela música Mamãe Ama É o Meu Revólver,  acho a letra triste. Enfim, não vou detonar todas as músicas deles que eu não gosto, porque se não perdia o sentido da razão dessa banda ter sido escolhida por mim para o post de hoje.

Mas porque, então escolhi essa banda? Calma pequenos gafanhotos,  ano passado eles gravaram e lançaram um Cd que conheci esse ano e me conquistou, certo dia um amigo meu me mostrou uma música do Cd, Twiggy Twiggy e fiquei doida pela música, não saia da minha cabeça e ele me contou que eles tinha gravado o tal Cd que se chamava Música de Brinquedo. O Album é totalmente diferente da antiga proposta deles, são músicas normais, tocadas por instrumentos de brinquedo num tom infantil. E poh, só posso dizer que se alguém conseguir tirar um som afinado de instrumentos de brinquedo é porque o músico é bom mesmo e bato palmas. Na verdeda nunca achei que eles tocassem mal ou que a Fernanda Takai tivesse uma voz feia. O meu lance com eles era outro, era as letras e estilo de música que não me agradava.

Claro que no Cd Música de Brinquedo, que esse ano foi relançado como DVD e Cd ao vivo, eles cantam músicas de outros artitas com seu estilo e alguns do seu próprio repertório. As que eu mais gosto são, Twiggy Twiggy (Pizzicato Five), Bohemian Rhapsody (Freddie Mercury), Ovelha Negra (Rita Lee) e Live And Let Die (The Beatles), ou seja nenhuma deles.  Mas o importante foi reconhecer que a banda tem mesmo bons músicos e uma vocalista talentosa. E no fim como gosto não se discute, vale a pena comentar sobre o Pato Fu que inovou com essa atitude. Embaixo vou colocar algumas treixos do shows deles Música de Brinquedo Ao Vivo muito bacana.

História da Banda

O Pato Fu teve início em 1992, quando Fernanda Takai, até então vocalista da banda Fernanda & 3 Do Povo decidiu formar uma banda com dois amigos de uma loja de guitarras onde ela costumava comprar encordoamentos. Os amigos eram John Ulhoa e Ricardo Koctus, da banda Sustados por 1 Gesto e Sexo Explícito. Decidiram se chamar Pato Fu em alusão a uma tira em que o gato Garfield lutava gato-fu. Para não lembrar tanto a história original, trocaram a primeira letra, e ficaram com um nome tão estranho quanto o som que fariam mais tarde. Em outubro de 1992, gravaram sua primeira fita demo, e, no final do ano, começaram a se apresentar em Belo Horizonte. Já no começo de 1993, participaram do show “Rock Brasil”, ao lado de bandas como Skank, Paralamas do Sucesso, Barão Vermelho e Titãs.

Em maio de 1993, o Pato Fu terminou de gravar o seu primeiro álbum — Rotomusic de Liquidificapum — no estúdio Ferreti, localizado em Belo Horizonte, atual estúdio Máquina do Haroldo Ferreti (baterista do Skank). Embora o disco não tenha obtido o sucesso esperado, acabou atraindo a BMG, em 1994, durante uma apresentação no Rio de Janeiro. Em meio a outras bandas sem sucesso, o Pato Fu foi escolhido por Maurício Valadares (coordenador do selo Plug da BMG) para assinar um contrato com a gravadora. Algum tempo depois, em 1995, gravaram o segundo CD — Gol de Quem? — em um mês, no estúdio Cia. de Técnicos, também no Rio. Músicas como “Sobre o Tempo” e “Qualquer Bobagem” garantiram o prêmio de revelação no 1º Video Music Awards da MTV Brasil. Pela primeira vez, o Pato Fu tocou nos Estados Unidos e aproveitou para trocar a sua bateria eletrônica por um músico de verdade: Xande Tamietti.

Lançaram o álbum Tem Mas Acabou em 1996. Neste disco se destacaram as faixas: “Pinga”, “Capetão” e “Água”. Neste ano a banda já flertava a ideia de gravar um disco somente com instrumentos de brinquedo, mas tal projeto só foi ser realizado anos mais tarde.

O álbum Televisão de Cachorro foi lançado em 1998 e a banda ficou muito conhecida com a música e o clipe da faixa “Antes Que Seja Tarde”.

No ano seguinte, 1999 chegou as lojas o álbum Isopor que foi considerado um dos 10 melhores discos de rock nacional da história. A música de abre o disco, “Made In Japan”, é cantada em japonês por Fernanda que, na época, teve aulas particulares. A música também fez muito sucesso no Japão, assim como o clipe.

Ruído Rosa, o sexto disco da banda foi lançado em 2001. A faixa fantasmagórica “Eu” foi grande sucesso nas rádios e o clipe ganhou prêmios como o VMB daquele ano. A regravação de “Ando Meio Desligado” foi tema da novela Um Anjo Caiu Do Céu.

No mesmo ano, a banda se apresentou para cerca de 250 mil pessoas, abrindo o show de Oasis, Ira!, Ultraje e Guns N’ Roses no Rock in Rio III. No ano seguinte, a banda lança o CD e DVD MTV Ao Vivo, show realizado no Museu de Arte da Pampulha em comemoração aos dez anos da banda.[2] Neste show a banda já conta com o tecladista e pianista Lulu Camargo como músico convidado. O ex-integrante da Karnak logo viria a se tornar o mais novo Pato Fu.

Durante os três anos que se seguiram, os agora cinco integrantes dedicam-se a tarefas pessoais: Fernanda e John tornam-se pais e este ainda trabalha na produção do primeiro álbum da Wonkavision; Tamietti aprofunda-se na black music; Koctus dedica-se à fotografia e à Let’s Presley e; Lulu Camargo inicia seu projeto na nova banda.

2005 é o ano de lançamento de Toda Cura Para Todo Mal, que inaugura o selo independente da banda: o Rotomusic.[3] O videoclipe da música “Anormal” venceu no VMB na categoria de melhor direção de arte.

No ano de 2007, lançaram o álbum Daqui pro Futuro que, antes mesmo de ser lançado nas lojas, já era vendido via internet.[4] O álbum rendeu à banda o título de “Melhor de 2007” pela revista Quem.[4]

Em Junho de 2008, o Pato Fu anunciou a saída do tecladista Lulu Camargo. Cerca de oito anos depois de seu ingresso na banda, Lulu resolveu se dedicar a desenvolver projetos pessoais. Em seu lugar entrou Dudu Tsuda, que também se apresenta com a vocalista Fernanda Takai em seus shows solo da turnê Onde Brilhem os Olhos Seus.

Em janeiro de 2009, Lulu Camargo retorna à banda após 6 meses afastado, e Dudu Tsuda deixa a banda para se dedicar aos seus vários projetos pessoais. Fernanda lança seu segundo disco solo em 2009. Intitulado de Luz Negra, o disco ao vivo ganhou prêmios de melhor show e melhor DVD.

Já em agosto de 2010, a banda lança seu álbum mais ousado: o Música de Brinquedo. Como o próprio nome já revela, o disco foi gravado usando somente instrumentos de brinquedo e miniaturas. A filha de Fernanda e John, Nina Takai, empresta sua voz em algumas faixas do disco que, apesar de não ser propriamente para crianças, brinca bastante com a sonoridade infantil. É composto por 12 regravações de músicas famosas nacionais e internacionais e ganhou grande receptividade do público.

Em Setembro de 2011, a banda lança seu segundo CD/DVD ao vivo. Estes se tratam do Música de Brinquedo Ao Vivo gravado ao vivo no Auditório do Ibirapuera com a participação do grupo Giramundo. O álbum traz o disco Música de Brinquedo executado na íntegra mais sucessos da banda: “Eu”, “Simplicidade”, “Perdendo Dentes”, “Made In Japan” e “Sobre o Tempo”, além da regravação de “Bohemian Rhapsody” de Freddie Mercury. O DVD contém 18 canções, já o CD 14 canções.

Alguns vídeos deles do ultimo Cd, acho que quem não gosta deles pelo mesmo motivo que eu, vai acabar gostando.

Discografia

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: