O Que é Que Tem de Bom?

15 fev

Leão do Sul

Para quem é louco por pastel de qualidade, o Nativa recomenda o Leão do Sul. Essa pastelaria tem mais de 80 anos no mercado. Alias, é uma pastelaria que tem história aqui em Fortaleza, com sua primeira loja aperta no Centro na famosa Praça do Ferreira.

Muito bacana ter no Centro um local tradicional assim que já saiu várias vezes nas edições do Veja Fortaleza ganhando prêmios e já saiu também na Veja São Paulo como o melhor do Brasil. O pastel de queijo é uma delícia e me contaram que de carne também é ótimo. A massa é molinha e queijo é muito bom.

A casa mantém intacto o cardápio, focado em sabores tradicionais, como carne e queijo (R$ 3,00 cada um). A unidade da Avenida Bezerra de Menezes segue o mesmo modelo, abolido apenas pela filial da Aldeota. Lá, as vinte variedades de pastel incluem brócolis com queijo mussarela (R$ 4,60) e carne de sol (R$ 5,00). Em qualquer endereço, o caldo de cana e a cajuína são servidos em copos de 300 mililitros (R$ 2,00 cada um) e há cartola, banana assada com queijo e canela (R$ 5,00), para a sobremesa.

Rua Pedro Borges, 193 – Praça do Ferreira
Bairro: centro
CEP: 60055110
Telefone: 3231-0306
Horário: 9h/18h30 (sáb. até 13h30; fecha dom.)

História do Local

Foi fundada no ano de 1926, na Praça do Ferreira, centro de Fortaleza, e segundo análise de documentos antigos o primeiro proprietário foi o Sr. A. Silva.

O nome Leão do Sul surgiu desde sua fundação e há algumas versões com relação à escolha deste nome: a primeira foi devido a sua localização que fica ao sul da Praça do Ferreira e porque o proprietário era torcedor do time Fortaleza Esporte Clube, a segunda é que ele era torcedor de um time de futebol do sul do país de mesmo nome, e a terceira versão é que a Leão do Sul vendia produtos chamados de “primeira ordem” (bacalhau, vinho do porto, produtos que vinham do Sul) e como dominava o mercado com estes produtos foi escolhido o Leão como símbolo.

Na década de 20, o estabelecimento funcionava como uma espécie de mercearia que vendia produtos de primeira linha, além da “merenda”, vendia produtos como: enlatados importados, bacalhau de primeira qualidade, queijos, azeitonas, vinhos, doce de buriti, manteiga da terra, bombons importados, café torrado e moído na hora, dentre outros. Estes produtos depois de vendidos eram embrulhados em papel de rolo e amarrados com cordão, e o banco onde as pessoas sentavam-se para lanchar eram caixotes grandes e vazios dos bacalhaus importados.

Naquela época era comum encontrar senhores de Terno de linho branco e chapéu fazendo suas compras no centro da cidade.

Em 1952, o empreendimento é vendido ao senhor Dimas de Castro e Silva. A administração do “Seu Dimas” como era chamado, ficou marcada pela forma simpática e afável de tratar seus clientes, estava sempre à beira do balcão pronto a atender e prosear. Naquela época a máquina registradora ainda era a manivela e fazia muito barulho ao registrar os produtos vendidos.

Com o passar dos anos, seus filhos também o ajudavam dentro da empresa, mais posteriormente cada um seguiu uma nova profissão independente.

Nesta época, o caldo de cana e o pastel já eram a dupla mais vendida no Leão do Sul. O pastel, que não era feito lá, chegava de bicicleta em latas de gordura coberto com um pano, ainda quentinho, e caldo de cana que saia geladinho da engenhoca, tinha a cana-de-açúcar raspada na hora, antes de ser moída. Muitas vezes fazia fila para se lanchar ali naquele cantinho apertado.

Na década de 50, o pastel e a “garapa”, eram concorridos pelos jovens que freqüentavam a Leão do Sul ao final de cada sessão do Cinema Moderno ou do Cine Majestique. O caldo de cana que jorrava seu suco esverdeado na engenhoca e saia geladinho, concorria com outra bebida famosa da Praça do Ferreira, o “pega-pinto” do Mundico. Esta bebida era um aluá feito de uma raiz conhecida na região. A pastelaria virou ponto de encontro e de paquera das alunas da Escola Justiniano de Serpa, famosa Escola Normal e estudantes do Liceu.

No ano de 1980, Renato Dantas e sua esposa, Maria Dantas, compram a Leão do Sul. Cabe ressaltar que não havia nenhum parentesco entre o primeiro, nem o segundo e o terceiro dono da pastelaria. Como vimos, ao longo dos anos foram vários os proprietários desta empresa, entretanto o nome Leão do Sul permanece até hoje, e no mesmo endereço, Rua Pedro Borges no 193, Praça do Ferreira, Bairro Centro.

Renato Dantas, um cearense que residiu por muitos anos em São Paulo, retornou a Fortaleza com a finalidade de se estabelecer e adquirir um empreendimento. Então foi ao centro da cidade, sentou-se na Praça do Ferreira e observou o movimento do comércio por completo, viu a movimentada Leão do Sul e seguiu até lá, conversou com o “Seu Dimas” e “apalavraram” a compra do comércio, e que posteriormente foi legalizada.

É interessante lembrar que o Sr. Renato quando moleque entregava “bulim” (biscoito de goma) e doce de caju feito por sua mãe no Leão do Sul.

A partir do terceiro dono, Sr. Renato, algumas coisas mudaram: o pastel passou a ser fabricado no prédio da própria pastelaria, no 2º andar do pavimento superior, que depois de fabricados desciam em bandejas brancas pronto para serem consumidos, nos sabores de carne ou de queijo.

A esposa deste novo proprietário Maria Dantas, paulista, começou a fabricar os pasteis com uma receita que era de sua avó mineira. Esta receita foi aprovada pela clientela com sucesso e trouxe rapidez ao processo de fabricação, a massa ficou mais sequinha, crocante e macia ao mesmo tempo.

Apesar da mudança de proprietário, alguns funcionários foram permanecendo nas novas administrações e com o tempo somava-se ao quadro de funcionários do Leão do Sul seus descendentes e irmãos, desta forma tornou-se uma empresa bem familiar.

Com o desenvolvimento e a modernização do centro, alguns comércios foram cedendo lugar a novos empreendimentos, outros resistiam como a farmácia Oswaldo Cruz, a pastelaria Leão do Sul, a Sorveteria Odeon e a Casa Bicho. Para acompanhar tal modernização, a pastelaria faz sua primeira reforma para oferecer mais conforto a seus clientes.

Então os velhos caixotes vazios de bacalhaus que serviam de bancos para os clientes, o balcão escuro e as prateleiras de madeira foram retirados. Foi construído um banco de alvenaria para acolher os clientes e os balcões foram trocados por um estilo mais moderno. Apesar do espaço físico do Leão do Sul ser estreito, a reforma trouxe um aspecto de modernidade, conforto, aconchego, praticidade e limpeza. Novos produtos foram oferecidos como: sanduíches naturais, coxinha, farinha de tapioca pré-cozida do Pará, fécula de batata, açúcar confeiteiro, banana-seca e uma diversidade maior de bombons, outros foram retirados como, por exemplo, o bacalhau importado.

Com o falecimento de Renato Dantas em 1988, sua esposa, Maria Dantas, que já administrava há tempos a empresa, começou a ensinar o ofício do comércio a seu filho mais velho, Dany Dantas que na época tinha apenas 13(treze) anos. A tradição da venda do pastel com caldo de cana era passada a mais uma geração.

Alguns produtos caseiros como a manteiga da terra, o doce de buriti e o colchão de moça, com o passar dos anos deixaram de ser comercializados nessa empresa devido a exigências da Secretaria da Saúde que passou a exigir a legalização dos fabricantes desses produtos. Outras mercadorias também deixaram de ser comercializadas pela diminuição da procura, vez que nos anos 90 houve um crescimento e desenvolvimento de comércios de bairro em Fortaleza, onde podíamos encontrar uma variedade de produtos mais facilmente.


Em 1997, com mais uma reforma no ambiente da pastelaria, houve algumas incrementações maquinarias. A engenhoca, de seu tamanho monstruoso ainda de ferro, que jorrava caldo de cana quando espremia a cana-de-açúcar, e fazia um barulho alto ao girar suas engrenagens, foi substituída por uma máquina de menor porte, silenciosa e toda em aço inox. Isto trouxe mais qualidade ao caldo de cana oferecido, se tornou mais puro, saudável e higiênico, visto que as garapeiras antigas feitas de ferro agregam um sabor diferenciado não tão delicioso ao suco por ser de ferro. Outra inovação da pastelaria foi o acréscimo do pastel de frango em seu cardápio.

Apesar das mudanças realizadas durante os anos, a Leão do Sul manteve o charme da dupla: caldo de cana e pastel, e a gostosa prosa ao pé do balcão. Além de fazer um delicioso e rápido lanche, histórias inusitadas e saudosistas são contadas no balcão da pastelaria, como: a azeitona com caroço, lembranças de namoricos do tempo da Escola Normal, das várias mudanças ocorridas na Praça do Ferreira e dos comércios que existiam por ali e que fecharam com o passar dos anos.

Os filhos do casal Renato Dantas e Maria Dantas foram aos poucos sendo inseridos ao trabalho no comércio, parecia estar no sangue dos descendentes a tendência para ser comerciantes. A matriz hoje em dia é administrada pelo filho mais velho Dany, apesar de sempre ter uma “pitadinha” administrativa de sua mãe.

Nos anos que se seguiram, o “carro chefe” do Leão do Sul, continuou sendo o tradicional e saboroso pastel com o adocicado caldo de cana. Houve várias modificações com relação à produção destes produtos oferecidos no intuito de melhorar a qualidade sempre posta em primeiro lugar.

Os tachos de fritura foram substituídos por fritadeiras potentes e sistemáticas. Ao invés do óleo para fritura, passou a utilizar gordura vegetal e posteriormente uma gordura onde é 0% trans. Ao invés de descer o pastel em bandejas, foi feito um elevador só para o pastel, e assim a empresa foi prosperando.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: