Cultura de Bolso

16 fev

Profissões de sucesso no futuro

Especialistas mostram quais serão as carreiras requisitadas pelo mercado do futuro. Há vagas para você!


Profissões de sucesso no futuro

Seu sonho é ser disputada pelo mercado? é claro que você pode chegar lá seguindo uma profissão clássica e dando duro para ser reconhecida. Mas a escolha de certas carreiras pode encurtar o caminho. Conversamos com os headhunters Fernando Mantovani, da Robert Half, e Marcelo Cuellar, da Michael Page, para eleger as profissões que serão mais requisitadas pelo mercado no futuro. é claro que o segredo para se dar bem é fazer aquilo de que gosta. Mas quem sabe uma delas não tem tudo a ver com você?

LEIA MAIS NESTA REPORTAGEM:

AGROECOLOGIA

Se você luta por um mundo mais sustentável e livre de agrotóxicos, vai gostar de saber que já pode transformar sua ideologia em trabalho. “O profissional de agroecologia pensa e planeja sistemas de produção sustentáveis em todas as esferas: produtiva, ambiental, econômica, social, política e até cultural”, diz Anastácia Fontanetti, coordenadora do curso da Universidade Federal de São Carlos. Isso significa que você pode trabalhar na produção de alimentos orgânicos, propor formas de inclusão social de comunidades produtoras ou ainda atuar em reservas extrativistas de madeira certificada.

Por que é promissora:

“A humanidade se deu conta de que o futuro depende dos cuidados que temos com o ambiente, os alimentos e o desenvolvimento local”, diz Eli Lino de Jesus, coordenador do curso do Instituto Federal do Sudeste de Minas Gerais.

Formação:

A graduação pode ser concluída em quatro ou cinco anos e é dividida em aulas teóricas e visitas técnicas.

Média salarial:

Recém-formado: R$ 2 mil. Após cinco anos de experiência: R$ 10 mil.

É minha profissão:

“Na agroecologia, posso desenvolver técnicas que respeitem o meio ambiente e busquem qualidade de vida para quem produz e para o consumidor.” – Lorena de Freitas Severino, 23 anos

ENGENHARIA DE PETRÓLEO

Passar dias ou meses em uma plataforma em alto-mar, longe de grandes cidades, soa como uma aventura para você? O curso de engenharia de petróleo pode ter o seu perfil. Prepara o profissional para descobrir novas jazidas ou para a criação de equipamentos utilizados nas plataformas marítimas, nas petroquímicas e em refinarias. Outras frentes de atuação são a venda do petróleo para clientes nacionais e internacionais e estudos de logística.

Por que é promissora:

“Nos últimos anos, os investimentos para desenvolvimento de campos de petróleo aumentaram. E, com os reservatórios do pré-sal, surgiu ainda mais demanda por profissionais qualificados”, explica Sérgio da Fontoura, coordenador do curso de graduação da PUC-RJ. A previsão da Petrobras é que os campos do pré-sal estejam produzindo a partir de 2017, mais de 1 milhão de barris por dia.

Formação:

O curso dura cinco anos.

Média salarial:

Recém-formado: R$ 5 mil. Após cinco anos de experiência: R$ 17 mil.

É minha profissão:

“Já fui gerente de plataforma e passava cerca de cinco dias a bordo. Agora trabalho no próprio escritório de uma multinacional. E vejo as mulheres ganharem cada vez mais espaço na área.” – Eduarda Pina, 31 anos

GERONTOLOGIA

Procura garantir que a terceira idade tenha melhor qualidade de vida. “Estamos formando gestores da atenção ao idoso para as áreas de educação, saúde, políticas públicas e gerenciamento de equipamentos e programas”, explica Mônica Sanches Yassuda, coordenadora do bacharelado da Escola de Artes, Ciências e Humanidades da Universidade de São Paulo.

Por que é promissora:

A expectativa de vida das brasileiras já chegou a 77 anos (a dos homens bateu os 73). De acordo com dados do Censo 2010 do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, nossa população idosa passou de 14 milhões para 17 milhões na última década. E esse crescimento tende a ser contínuo.

Formação:

O curso dura quatro anos e o estudante faz estágios nas áreas social e da saúde desde o 2º ano.

Média salarial:

Recém-formado: R$ 2 400. Após cinco anos de experiência: R$ 9 mil.

É minha profissão:

“Estar ao lado dos meus avós sempre foi um motivo de alegria para mim. Quando pesquisava sobre profissões, logo me identifiquei com gerontologia. E não tenho dúvidas de que fiz a melhor escolha. É gratificante ver que seu trabalho faz a diferença na vida dos pacientes e de seus familiares.” – Glenda Dias, 26 anos

BIOPROCESSOS E BIOTECNOLOGIA

Desde criança você queria ser cientista e ficava criando experiências no seu quarto? Essa é a profissão ideal para quem gosta de inovação. O curso prepara o aluno para desenvolver produtos tecnológicos como medicamentos, vacinas, energia limpa, novas fontes de energia e produtos agrícolas e animais.

Por que é promissora:

“Com o rápido desenvolvimento industrial, vieram dois problemas: a grande poluição gerada por fontes não renováveis, como carvão e petróleo, e o risco de esgotamento dessas fontes. Por isso, profissionais capazes de criar produtos tecnológicos serão tão importantes “, analisa Carlos Ricardo Soccol, professor da Universidade Federal do Paraná.

Formação:

O curso dura cinco anos.

Média salarial:

Recém-formado: R$ 4 500. Após cinco anos de experiência: R$ 15 mil.

É minha profissão:

“Passo o dia em um laboratório realizando pesquisas de análise genômica. Traduzindo o nome complicado, estudo o DNA de tecidos humanos, de animais e de plantas para tentar descobrir curas de doenças e novos medicamentos. Isso me fascina. Escolhi a profissão certa.” – Daíse Moreno Sáf, 24 anos

EDUCAÇÃO ESPECIAL

Estar preparada ou preparar outras pessoas para atender alunos especiais. É essa a missão desse profissional, que aprende a criar e implementar procedimentos que garantam o desenvolvimento dessas crianças e adolescentes. Você pode trabalhar em escolas públicas e privadas e em instituições como a Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais (Apae).

Por que é promissora:

A inclusão de alunos com necessidades educacionais especiais no ensino regular se tornou uma política nacional: o número de crianças com deficiência nas salas de aula regulares saltou rapidamente de 81 mil, em 2001, para mais de 380 mil em 2009. A demanda por profissionais preparados está crescendo muito, garantem Aline de Cássia Lagoeiro e Ana Paula da Silva, pedagogas do curso da Universidade Federal de São Carlos (SP).

Formação:

O curso tem duração de quatro anos, com atividades práticas desde o início e estágio supervisionado.

Média salarial:

Recém-formado: R$ 1 800. Após cinco anos de experiência: R$ 12 mil.

É minha profissão:

“Sempre quis ser professora. Numa visita à Apae, conheci o trabalho da associação e senti que era isso que gostaria de fazer. Hoje ajudo a formar alunos na área.” –Márcia Duarte, 34 anos

ENGENHARIA CIVIL

Alguns dias você pode passar trancada em uma sala apenas fazendo projetos. Em outros, põe a mão na massa, vai acompanhar a execução da obra e orientar a equipe. Os profissionais dessa área atuam no planejamento, na construção e na manutenção de projetos de infraestrutura, desde pontes, casas até estádios de futebol. Também podem trabalhar na área de transportes, hidráulica e saneamento.

Por que é promissora:

O Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) deve injetar mais de 500 bilhões de reais em projetos de transporte, energia, saneamento, habitação e recursos hídricos. “Além dos programas do governo federal, eventos como os Jogos Olímpicos e a Copa do Mundo também exigirão profissionais qualificados”, diz Michéle Dal Toé Casagrande, coordenadora do curso de graduação da PUC- RJ.

Formação:

Normalmente com aulas em período integral, o curso dura cinco anos.

Média salarial:

Recém-formado: R$ 4 500. Após cinco anos de experiência: R$ 12 mil.

É minha profissão:

“Para quem gosta de infraestrutura, indico entrar em um órgão público. Comecei planejando ruas e ciclovias. Agora faço projetos de saneamento.” – Larissa Antônio Babeto, 25 anos

GESTÃO E ANÁLISE AMBIENTAL

Grandes empreendimentos necessitam de profissionais da área para as avaliações de impacto no meio ambiente, para monitoramento ambiental e para implantar sistemas de gestão verde. Segundo Marcel Okamoto Tanaka, coordenador do bacharelado da Universidade Federal de São Carlos, o profissional é responsável por planejar, implementar e controlar a gestão ambiental em escala local, nacional e global. Por exemplo, se você gosta de assuntos relacionados ao meio ambiente e de seres vivos e sua relação com o ser humano, bingo!

Por que é promissora:

A questão ambiental entrou definitivamente na agenda das empresas e do poder público. Por isso, existe grande demanda por profissionais que possam gerenciar projetos na área.

Formação:

Em quatro anos, você está formada.

Média salarial:

Recém-formado: R$ 3 800. Após cinco anos de experiência: R$ 12 mil.

É minha profissão:

“Trabalho em um projeto que contribui para a adequação ambiental de proprietários rurais em alguns municípios no norte de Mato Grosso. Também atuamos pela preservação de florestas na região da Amazônia. Tenho muitos desafios no dia a dia.” – Carolina de Oliveira Jordão, 23 anos

COORDENAÇÃO DE MÍDIAS SOCIAIS

Esqueça a ideia de ser paga para passar o dia tuitando. Ser coordenadora de mídias sociais é bem mais complexo. Você pode atuar em duas frentes: uma passiva, que é monitorar o que os clientes postam e o que é falado sobre a marca na internet; outra ativa, que inclui manter um diálogo com os usuários. Segundo Júlio Figueiredo, coordenador da Pós-Graduação em Gestão e Marketing Digital da ESPM, quem quer atuar na era digital deve ter visão estratégica para planejar ações criativas de marketing.

Por que é promissora:

De acordo com a pesquisa “Mídias Sociais nas Empresas: O Relacionamento Online com o Mercado”, 70% das empresas brasileiras utilizam ou monitoram o que acontece online. “Por isso, grandes agências de publicidade e grandes corporações possuem equipes para atuar nas redes sociais”, diz Eric Messa, professor da Faap, em São Paulo.

Formação:

Não existe uma graduação específica. Os mais cotados são da área de comunicação.

Média salarial:

Recém-formado: R$ 2 mil. Após cinco anos de experiência: R$ 11 mil.

É minha profissão:

“Não tenho rotina. Por outro lado, preciso ser autodidata. Como a profissão é nova, estamos tendo que aprender por conta própria”. – Lalai Luna, 37 anos

Revista Nova Cosmopolitan Por Kátia Kazedani 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: